Foto
  • Foto
  • Foto
Aristodemo Becherini: entre a cidade e a publicidade

Nascido em 1910, Aristodemo Becherini deu continuidade ao ofício da família, iniciado por seu pai, Aurélio Becherini (1879-1939), primeiro repórter fotográfico da imprensa paulistana e autor de importante documentação da cidade executada nas primeiras duas décadas do século XX. Em parceria com o irmão Henrique, conduziu um estúdio que os posicionaram com pioneirismo na publicidade, substituindo as ilustrações por imagens fotográficas nos anúncios. Na juventude, Aristodemo foi modelo, posando para campanhas desenvolvidas pelo irmão para a agência J. W. Thompson. Também produziu imagens para a indústria petrolífera, ferroviária, rodoviária, papéis e telefonia. Em 1959, após a morte do irmão, transfere o estúdio para a Rua Xavier de Toledo e fotografa com exclusividade para a Indústria General Motors até a aposentadoria. 


Entretanto, apesar do vínculo com a fotografia aplicada, Aristodemo não se afastou das relações mais imediatas da apropriação. Em seu arquivo encontram-se ensaios sobre episódios da história de São Paulo, como as manifestações comunistas; o discurso de Luis Carlos Prestes no Estádio do Pacaembu; a visita do general Eurico Gaspar Dutra; e o funeral do secretário da Segurança Pública Estadual Alfredo Issa Ássaly. O fotógrafo ainda registrou festividades do cotidiano, a exemplo do ano-novo, carnaval, saltos de paraquedismo e competições esportivas no Clube de Regatas Tietê.


De modo mais sistemático, é na fotografia urbana que notamos a cumplicidade do autor com a cidade. Este grupo de imagens, cuja seleção é apresentada na exposição, foi captado com regularidade desde seus 14 anos, convertendo-se na atualidade em um precioso memorial dos espaços públicos de sociabilidade, lazer, consumo, trabalho e deslocamento, observados de diversos planos, inclusive aéreos. Num claro reflexo da fotografia publicitária, utiliza-se dos recursos de enquadramento para pôr em evidência os prédios que deseja ressaltar, num esforço para extraí-los do tecido urbano, tendência também empregada para destacar os anúncios eletrônicos nas fotografias noturnas.


Sob o ponto de vista arquitetônico e urbanístico, e considerando a tríade construtiva da cidade defendida por Benedito Lima de Toledo, estas imagens, realizadas entre 1925-1950, retratam a fase final da segunda edificação de São Paulo, erguida a partir da afluência da riqueza do café e industrialização. O surgimento dos prédios rompe a linearidade do horizonte, impondo ao fotógrafo o distanciamento da câmera para estruturar a composição da cena. Decorre desta operação a redução da escala de seus habitantes nas imagens, levando ao quase desaparecimento de suas fisionomias. Os prédios também introduziram na paisagem da cidade os novos estilos construtivos do modernismo, acentuando o contraste com os casarões, vistos de modo especial nas fotografias da Rua São Bento, Avenida Nove de Julho e Avenida São João. Em consequência do salto populacional desse período (de 500 mil para mais de 2 milhões de habitantes), a verticalização do espaço urbano assinala o surgimento da terceira fase da capital paulista.


A Coleção Aristodemo Becherini foi incorporada ao Acervo Iconográfico da Prefeitura de São Paulo após a morte do fotógrafo, em 1985, doada por sua filha Araceli Becherini. Simultaneamente à exposição, o banco de dados da Casa da Imagem de São Paulo disponibiliza uma seleção de imagens do fotógrafo para pesquisa na Sala de Consulta.


Henrique Siqueira


Aristodemo Becherini: between publicity and the city

Born in 1910, Aristodemo Becherini gave continuity to the family business, which was started by his father, Aurélio Becherini (1879-1939), first photographic reporter of São Paulo’s press, and the author of an important documentation of the city in the first decades of the 20th Century. In partnership with his brother Henrique, Aristodemo run a photo studio that placed them among the country’s publicity pioneers, replacing illustrations by photographic images in ads. As a young man, Aristodemo was a model, posing for campaigns developed by his brother for the J. W. Thompson advertising agency. He has also produced images for the oil, railroad, auto, paper and telephony industries. In 1959, after the death of his brother, Aristodemo transfers the studio to Xavier de Toledo St. and photographs exclusively for the General Motors Industries until retirement.


Nevertheless, despite close connection to applied photography, Aristodemo didn’t distance himself from the most immediate relations of appropriation. In his archives one finds essays on episodes of São Paulo’s history, such as the communist manifestations; Luis Carlos Prestes’ speech delivery at Pacaembu Stadium; the visit of General Eurico Gaspar Dutra; and the funeral of the State Secretary of Public Security Alfredo Issa Ássaly. The photographer documented as well popular festivities, such as the New Year’s Eve, Carnival, parachuting shows and sports events at the Clube de Regatas Tietê.


Systematically, it’s is in urban photography that we clearer notice the author’s complicity with the city. The group of selected images shown in this exhibition was captured regularly since the author was 14 years-old, and has been converted today in a precious memorial of the social public spaces for leisure, commerce, work and transportation, observed from different angles, including aerial. In a clear influence of advertising photography, the author employs framing techniques to highlight buildings of his choice, in an effort to extract them from the urban fabric, a tendency also used to highlight electronic ads in nocturnal photographs.


From the architectural and urbanistic point of view, and considering the constructive triad of the city defended by Benedito Lima de Toledo, these images, taken between 1925 and 1950, portray the last phase of the second edification of São Paulo, built with the input of wealth generated by coffee and industrialization. The emergence of buildings breaks the linearity of the horizon, imposing on the photographer the resource of distancing the camera in order to structure the scene’s composition. Such operation results in a reduction of the scale of the inhabitants in the images, which in turn generates the almost disappearance of their physiognomies. The buildings also introduce in the city’s landscape the new building styles of Modernism, stressing the contrast with the mansions, specially seen in the photographs of São Bento St., Nove de Julho Ave. and São João Ave. As a consequence of the high increase of population in this period (from 500 thousand to over 2 million inhabitants), the verticalization of the urban space marks the emergence of São Paulo’s third edification period.


The Aristodemo Becherini collection was incorporated to the Iconographic Archives of São Paulo’s City Hall after the photographer’s death in 1985, donated by his daughter Araceli Becherini. Simultaneously to the exhibition, the database of Casa da Imagem de São Paulo will make available a selection of the photographer’s images for research at its consultation room.

Henrique Siqueira


Casa da Imagem de São Paulo
Rua Roberto Simonsen, 136-B
CEP 01017-020 - Sé – São Paulo SP
Telefone 11 3241-1081

Visitação de Terça a domingo, das 9h às 17h
Consulta ao acervo de terça a sexta-feira das 9h às 17h

Entrada franca


Contato.casai@prefeitura.sp.gov.br