Foto
  • Foto
  • Foto
A Praça Ramos de Azevedo na fotografia de Carlos Moreira

Destaque entre os nomes de maior prestígio da fotografia urbana de São Paulo, Carlos Moreira é reconhecido pela eloquência da obra construída em sua trajetória profissional. Economista de formação, desde 1964 dedica-se à fotografia, estimulado, como costuma afirmar, pela expectativa de “registrar algo interessante” em suas constantes caminhadas.


É justamente no deslocamento pela cidade que Moreira encontra seu objeto preferido. Sob a ótica do autor, a rua apresenta-se como palco deflagrador de reações entre os agentes urbanos – físicos e humanos –, convertendo-se em local ideal para o registro. De fato, em suas fotografias as cenas de rua adquirem uma rara equação de naturalidade, na qual parece não haver artificialidade entre os elementos da composição.

Vista na totalidade, a sua produção torna-se ainda mais sensível e singular devido à tendência em inserir as pessoas no recorte da cidade, decisão que indica maturidade e envolvimento do fotógrafo, resultando em enquadramentos elegantes e sintéticos, muitas vezes recompensados com o fugidio olhar consensual que legitima as relações do ato fotográfico. Sendo verdadeira a hipótese de que os habitantes das metrópoles perderam a espontaneidade de serem fotografados, imagens como as de Moreira tornam-se cada vez mais raras e custosas.

A exposição A Praça Ramos de Azevedo na fotografia de Carlos Moreira apresenta uma seleção de imagens realizadas desde os anos 1960. Figuram nestas imagens as transformações da praça e seu entorno, como o desaparecimento do Palacete Prates e a construção do prédio que o substituiu, no lado oposto à praça, e a construção dos túneis, que alterou o uso e a função social da região. Sobretudo, as cinco décadas de registro deixam evidentes os diferentes personagens que por ela transitaram, marcados pelo modismo de cada geração.

Henrique Siqueira


Ramos de Azevedo Square in Carlos Moreira’s photographs

A major name among the most prestigious urban photographers of São Paulo, Carlos Moreira is recognized by the eloquence of the work he accomplished during his professional career. An economist by training, since 1964 Carlos Moreira dedicates himself to the art of photography, encouraged, as he uses to say, by the anticipation of “registering something interesting” during his frequent walks.

Precisely, moving through the city Moreira finds his preferred object. From the author’s point of view, the street is seen as a stage that triggers reactions among urban agents – both physical and human – becoming an ideal site for documentation. Indeed, street scenes acquire a rare natural equation in his photographs, which convey no trace of artificiality among the elements of composition.

When analyzed as a single unity, Moreira’s production becomes even more insightful and singular due to the artist’s tendency to include people in the city’s enclosure, a choice that indicates the photographer’s maturity and involvement, generating both elegant and concentrated framings, often rewarded with a fleeting consensual glance that legitimates the relations of the photographic act. Assuming as true the hypothesis that the inhabitants of a metropolis have lost the spontaneity of being photographed, images such as those produced by Carlos Moreira become increasingly rare and valuable. 

The exhibition Ramos de Azevedo Square in Carlos Moreira’s photographs presents a selection of images produced since the 1960’s. Featured in these images are the transformations of the square and its surroundings, such as the disappearance of the Prates Small Palace and the construction of the building that replaced it, on the opposite side of the square, and the construction of the tunnels that altered the use and social function of the whole area. Above all, the five documented decades highlight the different characters that went through the square, marked by the fashion of each generation.

Henrique Siqueira


Casa da Imagem de São Paulo
Rua Roberto Simonsen, 136-B
CEP 01017-020 - Sé – São Paulo SP
Telefone 11 3241-1081

Visitação de Terça a domingo, das 9h às 17h
Consulta ao acervo de terça a sexta-feira das 9h às 17h

Entrada franca


Contato.casai@prefeitura.sp.gov.br