Foto
José Spaniol na Capela do Morumbi

José Spaniol apresenta na Capela do Morumbi uma instalação site specific que reafirma o seu interesse pelo entreato, essa zona carregada de potência entre um espaço e outro, entre um conteúdo e outro. Tímpano, especialmente projetada para a Capela do Morumbi, é uma peça circular construída em taipa de pilão, a mesma técnica utilizada na construção da capela.

A obra, que integra a tese de doutorado de Spaniol na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP), nasce, segundo ele, de uma palavra que traz um sentido comum, como a idéia de limite entre espaço interno e externo, de vazio, de propagação e reflexão, ainda que com três funções distintas. Originalmente, tímpano diz respeito a peças semelhantes a sinos ou tambores, enquanto em arquitetura é a área limite entre a parede e o telhado, ou entre o arco e a viga. Já em anatomia, trata-se da membrana fina e tensa que constitui o limite entre a orelha externa e a orelha média, funcionando como um tambor.

Para o artista, a obra estabelece questões de semelhança e contraste em relação à capela. No que se refere à semelhança, aponta a terra como elemento comum. “Este fato termina por dotar a escultura de certo mimetismo em relação à igreja, como se houvesse uma continuidade entre esses elementos”.

O contraste surge na forma cúbica da pequena igreja e a linha curva da escultura. “A arquitetura em confronto com o objeto enfatiza, através dos vãos entre as formas, a verticalidade presente na nave da capela. A própria terra, normalmente um dos signos da horizontalidade, neste caso é posta de pé”, completa Spaniol.

O jogo entre a função e a transformação estética do objeto, amplificando a sua potência de significados, está sempre presente na poética de José Spaniol. Segundo o crítico Alberto Tassinari, em suas obras mais recentes, “não é mais o caso de transformar o útil em estético, mas o de relacionar o que parece útil com o que se espera estético”.

Em Tímpano destaca-se ainda outra questão recorrente na produção de Spaniol: a arquitetura, a relação da obra com o local onde está inserida, como em Mirante (1997), exposto no evento Arte/Cidade 3.

No dia 20 de março de 2010, sábado às 11 horas, o público está convidado para o ritual de despedida da obra efêmera que o artista José Spaniol realizou para a Capela do Morumbi com um “happening desmontagem”.

Clique aqui
para ler o texto de Paulo Reis sobre a exposição

Capela do Morumbi
Av. Morumbi, 5.387 - Morumbi, São Paulo, SP
Fone 11 3772 4301
Aberta de terça a domingo, das 9 às 17h
Visita orientada. Entrada franca.