Foto
São Paulo: metrópole do café

Com curadoria de Rosa Belluzzo, esta exposição é continuidade da Fazeres e Sabores da Cozinha Paulista e apresenta a transformação dos hábitos culinários e alimentares em São Paulo após a instauração da economia e cultura cafeeira, enfatizando o impacto causado pelo processo de integração dos imigrantes no final do século XIX.
Aborda temas como as fazendas de café, a transformação da cidade de São Paulo, a cozinha paulista e, nos fragmentos desta memória, os cadernos de receitas, o aporte culinário dos imigrantes. O avanço da lavoura cafeeira para o Oeste paulista permitiu o enriquecimento dos barões do café e, como conseqüência, proporcionou a modernização de São Paulo.

A cultura cafeeira expandiu-se em direção à região de Campinas, entre 1830 e 1835, substituindo a cana-de-açúcar, difundindo-se para a região de Ribeirão Preto, por volta de 1880. O lucro do café transformou a paisagem econômica e social da cidade de São Paulo.

A Metrópole entrou em ebulição no fim da década de 1860 com a produção extensiva do café e a criação, em 1867, da primeira estrada de ferro, a São Paulo Railway, ligando Santos a Jundiaí. A cozinha paulista, também conhecida como “cozinha caipira” é um prolongamento da cultura bandeirista. Os cadernos de receitas que herdamos de nossas avós reavivam esses sentimentos.

O olfato e o paladar são os melhores testemunhos de nosso passado e confirmam as lembranças de certas iguarias que degustamos na infância, perpassam o tempo e permanecem como lembranças afetivas no presente.  A tradição familiar e a cultura oral permitiram a transmissão e a repetição das receitas, pois representam o elo da restauração dos hábitos alimentares, ao cingir o imaginário afetivo de cada indivíduo e evocar a magia e o espírito do lugar. Em 1888, com a abolição da escravatura, o Estado de São Paulo no seu processo de expansão da lavoura cafeeira acolheu imigrantes das mais diversas etnias, que trouxeram seus hábitos alimentares como única forma de preservar sua identidade cultural. Carregaram em sua bagagem mudas, temperos e outros apetrechos habitualmente utilizados em sua cozinha.  Os italianos em maior número, seguidos dos portugueses, espanhóis e alemães. Os sírios e libaneses optaram pela profissão de mascates comercializando seus produtos nas regiões cafeeiras mais prósperas. 

A cidade de São Paulo adquiriu uma nova feição. Foram abertos novos estabelecimentos comerciais e pequenas indústrias alimentícias, transformando a província em Metrópole. Os imigrantes no processo de integração adotaram a alimentação paulista e em contrapartida ofereceram os mais variados sabores, contribuindo para ampliação do repertório culinário. Esse encontro de raças e cultura formou um verdadeiro ‘multiculturalismo culinário’, que caracteriza a mesa paulista.

"São Paulo: metrópole do café" é complementar à exposição “Fazeres e sabores da cozinha paulista”, também com curadoria de Rosa Belluzzo, que foi levada a público na Casa do Bandeirante, e agora segue em apresentação na Casa do Tatuapé.  Aborda a cozinha paulista como tema; os fazeres e sabores da cozinha caipira como um prolongamento da cultura bandeirista; a herança indígena, de quem o caipira herdou os utensílios, plantas comestíveis e o hábito de pescar e caçar; ainda, a herança portuguesa  dos ensinamentos de como fazer hortas e pomares e de como criar animais domésticos, as técnicas e os usos de utensílios culinários, como tachos, sertãs de cobre e de ferro, chocolateiras e copos e pratos de estanho.

De 27 de setembro de 2008 a 17 de Outubro de 2009

Casa do Bandeirante (São Paulo: metrópole do café)
Pça. Monteiro Lobato, s/nº - Butantã, São Paulo, SP
Fone 11 3031 0920
Aberta de terça a domingo, das 9 às 17h
Visita guiada e entrada franca



De 04 de outubro de 2008 a 17 de Outubro de 2009

Casa do Tatuapé (Fazeres e sabores da cozinha paulista)
Rua Guabiju, 49  Tatuapé, São Paulo, SP.
Fone: 011 2296 4330
Aberta de terça a domingo, das 9 às 17h
Visita guiada e entrada franca.